top of page
Expertos en terapia EMDR online
Puedes consultar la disponibilidad y reservar directamente tu sesión aquí.

O papel da neuroplasticidade nas dependências

1. Fundamentos da neuroplasticidade


A neuroplasticidade, também conhecida como plasticidade neuronal, refere-se ao fenómeno biológico e fisiológico que descreve a capacidade do sistema nervoso, especificamente o cérebro e a medula espinhal, de se reorganizar e se adaptar ao longo do tempo em resposta a experiências, mudanças no ambiente, lesão cerebral ou alterações funcionais. Esta adaptabilidade implica modificações na estrutura e função das conexões sinápticas entre neurónios, o que permite a aquisição de novas competências, a recuperação de funções após danos, e é fundamental no processo de aprendizagem e desenvolvimento ao longo da vida. A neuroplasticidade é um conceito central na neurociência e tem implicações significativas para a compreensão de problemas neurológicos, reabilitação e tratamento de várias condições cerebrais.


A neuroplasticidade manifesta-se de duas formas principais:

Plasticidade Estrutural: Esta forma de neuroplasticidade envolve mudanças físicas na estrutura do cérebro. Inclui a formação de novas conexões sinápticas (sinaptogénese), a remoção de conexões não utilizadas (poda sináptica) e a geração de novos neurónios em regiões específicas do cérebro (neurogónese).

Plasticidade Funcional: Esta forma refere-se à capacidade dos neurónios e redes neurais de modificar a sua atividade em resposta a estímulos ou demandas em mudança. Envolve mudanças na força e eficiência das conexões sinápticas existentes.

neuroplasticidade nas dependências

2. Tipos de neuroplasticidade


a. Neuroplasticidade compensatória


A neuroplasticidade compensatória é um fenómeno crucial na adaptação do sistema nervoso a danos ou alterações no ambiente. Pesquisas de alto impacto na comunidade científica mostraram que, após uma lesão cerebral, como um acidente vascular cerebral, o cérebro tem a capacidade de reorganizar e redistribuir funções para áreas não afetadas para compensar a perda funcional. Este processo pode incluir a formação de novas conexões sinápticas e a ativação de regiões cerebrais adjacentes. Estudos de neuroimagem funcional têm apoiado essas observações, mostrando como a neuroplasticidade compensatória desempenha um papel na recuperação da função motora e cognitiva em pacientes pós-lesão cerebral (Ward & Cohen, 2004; Grefkes & Fink, 2011). Estes resultados sublinham a importância de compreender e aproveitar a neuroplasticidade compensatória na reabilitação e tratamento de doentes com lesões cerebrais.


b. Neuroplasticidade devido a dependências


A neuroplasticidade desempenha um papel fundamental no desenvolvimento, compreensão e tratamento das dependências. A exposição prolongada ao uso abusivo, como drogas ou álcool, pode alterar a estrutura e a função do cérebro. Estudos de neuroimagem revelaram mudanças significativas nas regiões do cérebro relacionadas com a recompensa, tomada de decisão e autocontrolo em indivíduos com problemas de consumos (Volkow et al., 2016). Essas mudanças estruturais e funcionais podem contribuir para a tolerância, dependência e compulsão observadas nas adiçõoes (Koob & Volkow, 2010). No entanto, a neuroplasticidade também oferece esperança no tratamento de dependências. A plasticidade cerebral permite a recuperação e reorganização das vias neurais, apoiando a eficácia de abordagens terapêuticas como a terapia cognitivo-comportamental, a terapia psicodinâmica e a terapia EMDR na reabilitação e recuperação de indivíduos com dependências (Everitt et al., 2008).


c. Neuroplasticidade por experiência


A neuroplasticidade induzida pela experiência é um fenómeno fascinante que ressalta a capacidade do cérebro de se adaptar e mudar em resposta à exposição a novas situações e estímulos. Numerosos estudos têm demonstrado que a aquisição de competências, a aprendizagem e a memória estão intimamente relacionadas com a plasticidade cerebral. Por exemplo, pesquisas revelaram que a prática repetida de tarefas específicas leva a mudanças na organização e eficiência das redes neurais envolvidas (Draganski et al., 2004). Além disso, a exposição a ambientes enriquecidos com estímulos e experiências variadas pode promover o crescimento de novos neurónios no hipocampo, o que tem sido associado a um melhor desempenho cognitivo (Kempermann et al., 1997). Estes resultados sublinham a importância da plasticidade cerebral no processo de aprendizagem e adaptação ao longo da vida.


d. Aprendizagem da neuroplasticidade


A neuroplasticidade induzida pela aprendizagem é um processo fundamental na adaptação do cérebro a novas experiências e conhecimentos. Vários estudos apoiam a ideia de que a aprendizagem está associada a alterações na estrutura e função do cérebro. A prática e a repetição de tarefas específicas demonstraram induzir plasticidade em áreas cerebrais relacionadas com essas tarefas (Pascual-Leone et al., 2005). Por outro lado, a investigação revelou que a aprendizagem pode aumentar o número de sinapses e a eficiência das conexões neuronais, o que melhora a transmissão de informação entre neurónios (Maya Vetencourt et al., 2008). Estes resultados apoiam a ideia de que o processo de aquisição de novos conhecimentos envolve a reorganização do cérebro e sublinham a importância da neuroplasticidade na aprendizagem ao largo do desenvolvimento.



3. Tolerância e dependência


A tolerância e a dependência são fenómenos intrincados no contexto das dependências, e compreendê-los é essencial para abordar os problemas de abuso de substâncias. A tolerância refere-se à necessidade de aumentar a quantidade de uma substância consumida para alcançar o mesmo efeito, resultando frequentemente no aumento do consumo da substância (Koob & Le Moal, 2006). A investigação demonstrou que a tolerância está relacionada com adaptações neurobiológicas, tais como a diminuição de recetores no cérebro em resposta à exposição continuada a uma substância (Koob & Le Moal, 2001).


Por outro lado, a dependência implica a necessidade de manter o consumo de uma substância para evitar o aparecimento de sintomas de abstinência, que podem ser angustiantes ou dolorosos (Koob & Le Moal, 2008). A dependência está ligada a alterações neuroadaptativas no sistema de recompensa do cérebro e nas vias de sinalização da dopamina (Nestler, 2005).


A neuroplasticidade desempenha um papel importante no desenvolvimento da tolerância e dependência de substâncias que causam dependência. A investigação científica demonstrou que a exposição prolongada a estas substâncias conduz a alterações neuroplásticas no cérebro. A tolerância, que se manifesta como uma diminuição da resposta de um indivíduo à mesma dose de uma substância, está relacionada com adaptações nos recetores neuronais e na função sináptica, resultando numa redução da sensibilidade à substância (Hyman et al., 2006). Por outro lado, a dependência, caracterizada pela necessidade de manter o consumo para evitar sintomas de abstinência, está associada à reorganização das vias neurais relacionadas à recompensa e motivação (Kalivas & O'Brien, 2008). Estas alterações na neuroplasticidade estão subjacentes à progressão da dependência, destacando a importância de abordar não só os aspetos comportamentais, mas também os neurobiológicos deste fenómeno complexo.



4. Recuperação e tratamento


A neuroplasticidade desempenha um papel central na recuperação e tratamento de dependências. Muitas pesquisas apoiam a ideia de que o cérebro tem a capacidade de reorganizar e recuperar a função normal após o abuso de substâncias. Durante a abstinência e o tratamento, as conexões neurais e as vias de recompensa podem sofrer alterações neuroplásticas que contribuem para a recuperação (Goldstein & Volkow, 2002). Em particular, a terapia cognitivo-comportamental, a terapia psicodinâmica, a terapia EMDR e outras abordagens terapêuticas baseiam-se na ideia de que a plasticidade cerebral permite a reestruturação dos padrões de pensamento e comportamento associados à dependência (Dalley et al., 2005). Essas abordagens terapêuticas podem facilitar a formação de novas conexões sinápticas que promovem maior autocontrolo e tomada de decisão saudável, apoiando assim o processo de recuperação em indivíduos com dependências.



5. Como melhorar a neuroplasticidade?


A neuroplasticidade, um fenómeno fascinante que tem captado a crescente atenção do campo da neurociência, como mencionamos ao longo deste texto, refere-se à capacidade intrínseca do cérebro de se adaptar e transformar ao longo do ciclo de vida. Melhorar este processo é de vital importância para estimular a aprendizagem, facilitar a recuperação após lesões cerebrais e melhorar a funcionalidade cognitiva. Em seguida, exploraremos várias estratégias apoiadas por pesquisas que aumentam a neuroplasticidade.


Aprendizagem e estimulação cognitiva: A aprendizagem contínua e desafiadora é um dos fatores cruciais para aumentar a neuroplasticidade. Estudos têm produzido resultados que sustentam que a aquisição de novas habilidades, como aprender uma língua ou dominar um instrumento musical, incentiva a criação de novas conexões neurais (Draganski et al., 2004).


Exercício físico: A atividade física regular não só beneficia o corpo, mas também estimula a plasticidade cerebral. Foi demonstrado que o exercício aeróbico, como correr ou a natação, promove o crescimento de novos neurónios e a melhoria das funções cognitivas (Cotman & Berchtold, 2002).


Descanso e sono: O sono adequado é crucial para a consolidação da memória e otimização da plasticidade cerebral (Walker, 2008). Durante o sono, o cérebro fortalece e organiza as conexões neurais.


Estimulação sensorial: Expor-se a uma variedade de estímulos sensoriais, como música, arte ou ambientes enriquecidos, pode promover a plasticidade cerebral. Esses estímulos desafiadores podem fortalecer as conexões neurais e melhorar a função cognitiva (Nithianantharajah & Hannan, 2006).


A estimulação e potenciação da neuroplasticidade é um processo dinâmico que envolve uma abordagem holística. A combinação de aprendizagem contínua, exercício físico, sono de qualidade, estimulação sensorial e (quando necessário) terapias de reabilitação pode ajudar a otimizar a capacidade do cérebro de se adaptar e desenvolver ao longo da vida.



Bibliografia

Cotman, C. W., & Berchtold, N. C. (2002). Exercise: a behavioral intervention to enhance brain health and plasticity. Trends in Neurosciences, 25(6), 295-301.

Dalley, J. W., et al. (2005). Nucleus accumbens D2/3 receptors predict trait impulsivity and cocaine reinforcement. Science, 315(5816), 1267-1270.

Draganski, B., et al. (2004). Neuroplasticity: Changes in grey matter induced by training. Nature, 427(6972), 311-312.

Draganski, B., et al. (2004). Neuroplasticity: changes in grey matter induced by training. Nature, 427(6972), 311.

Everitt, B. J., et al. (2008). Review. Neural mechanisms underlying the vulnerability to develop compulsive drug-seeking habits and addiction. Philosophical Transactions of the Royal Society B: Biological Sciences, 363(1507), 3125-3135.

Goldstein, R. Z., & Volkow, N. D. (2002). Drug addiction and its underlying neurobiological basis: neuroimaging evidence for the involvement of the frontal cortex. The American Journal of Psychiatry, 159(10), 1642-1652.

Grefkes, C., & Fink, G. R. (2011). Reorganization of cerebral networks after stroke: New insights from neuroimaging with connectivity approaches. Brain, 134(5), 1264-1276.

Hyman, S. E., et al. (2006). Malenka Addiction and the brain: the neurobiology of compulsion and its persistence. Nature Reviews Neuroscience, 7(10), 695-703.

Kalivas, P. W., & O'Brien, C. (2008). Drug addiction as a pathology of staged neuroplasticity. Neuropsychopharmacology, 33(1), 166-180.

Kempermann, G., et al. (1997). Why new neurons? Possible functions for adult hippocampal neurogenesis. Journal of Neuroscience, 17(10), 3171-3179.

Koob, G. F., & Le Moal, M. (2001). Drug addiction, dysregulation of reward, and allostasis. Neuropsychopharmacology, 24(2), 97-129.

Koob, G. F., & Le Moal, M. (2006). Drug addiction: the neurobiology of behaviour gone awry. Nature Reviews Neuroscience, 7(11), 963-970.

Koob, G. F., & Le Moal, M. (2008). Neurobiological mechanisms for opponent motivational processes in addiction. Philosophical Transactions of the Royal Society B: Biological Sciences, 363(1507), 3113-3123.

Maya Vetencourt, J. F., et al. (2008). The antidepressant fluoxetine restores plasticity in the adult visual cortex. Science, 320(5874), 385-388.

Nestler, E. J. (2005). Is there a common molecular pathway for addiction? Nature Neuroscience, 8(11), 1445-1449.

Nithianantharajah, J., & Hannan, A. J. (2006). Enriched environments, experience-dependent plasticity, and disorders of the nervous system. Nature Reviews Neuroscience, 7(9), 697-709.

Pascual-Leone, A., et al. (2005). The plastic human brain. Annual Review of Neuroscience, 28, 377-401.

Volkow, N. D., et al. (2016). Effects of chronic alcohol abuse on the brain: An overview. Alcohol Research: Current Reviews, 38(2), 195-212.

Walker, M. P. (2008). Cognitive consequences of sleep and sleep loss. Sleep Medicine, 9(Suppl 1), S29-S34.

Ward, N. S., & Cohen, L. G. (2004). Mechanisms underlying recovery of motor function after stroke. Archives of Neurology, 61(12), 1844-1848.
4 visualizações0 comentário

コメント


Servicios

Terapia online para nuestros pacientes.

Especialistas en terapia EMDR y psicoterapia.

Puedes consultar la disponibilidad y reservar directamente tu sesión aquí.
bottom of page